08/06/2011

Relacionamento Equilibrado


Quando conhecemos alguém nos apresentamos: sou fulano de tal, gosto disso, não gosto disso, penso assim e assado, faço isto e aquilo. E a pessoa, idem. 
O que estamos fazendo neste primeiro momento e, depois, no transcorrer da relação? Apresentamos quem somos, quais são nossos valores e crenças e o que aspiramos para o nosso futuro e a pessoa também se coloca. Conforme acontece o conhecimento mútuo, vamos percebendo que temos valores e projetos comuns e também algumas diferenças, mas que no final, as afinidades são mais fortes e dominam o todo. E acabamos por sentir forte admiração e/ou nos apaixonamos. Vamos resolvendo, gradativamente – o tempo aqui não importa, cada um tem o seu ritmo – estabelecer uma relação mais estreita. E por fim casam-se.

O que precisamos entender é que além da atração natural que sentimos, também tem estes outros fatores (diferenças e afinidades) que pesamos, conscientemente ou não.
Todo relacionamento visa suprir determinadas expectativas de todos nós.
E a maior de todas é ser feliz e viver em harmonia com alguém, mas quando este relacionamento entra numa crise é preciso recapitular o que fomos buscar ali, nesta relação e quanto conseguimos satisfazer de nossas necessidades. Precisamos entender qual caminho tomou esta relação que, de repente, chegou numa crise em que se encontra neste momento.

Um relacionamento perfeito não existe, assim como pessoas perfeitas não existem. A capacidade de observarmos as próprias dores e emoções e mantê-las sob controle é cíclica, varia, tem altos e baixos. Por isso, as relações possuem altos e baixos.  

Todo e qualquer relacionamento tem seus altos e baixos. Às vezes, tem momentos em que estamos mais envolvidos e, às vezes, em outros momentos, é o outro que o está. Mas o principal fator que leva as pessoas a ficarem juntas e superar estes altos e baixos é o QUERER – todos os envolvidos na relação – seja no casamento, namoro, sociedade, amizade... – todos têm que, necessariamente, querer. Como bem fala aquele ditado: quando um não quer, dois não brigam.
Para se querer a manutenção de uma relação é necessário não apenas amor (ou admiração) – por incrível que pareça –, é preciso ponderar sobre a relação propriamente dita e sobre a pessoa ou pessoas – dependendo do caso – envolvidas.

Uma crise num relacionamento vem, muitas vezes – e dependendo do grau da crise –, para que possamos avaliar não só a relação, mas toda a nossa vida e as escolhas que fizemos do decorrer da mesma. Nada na nossa vida é segmentado. Embora possamos separar as diversas situações em que vivemos em seções, tudo se encaixa com tudo, fazendo o todo que chamamos de minha vida.

Então precisamos, primeiramente, querer manter a relação. 


O amor exige dois seres íntegros que, juntos, formam algo maior... 




Cursos e Programas Exclusivos de Coaching

Cursos e Programas Exclusivos de Coaching