06/11/2015

Pessoas Vítimas

Há ganhos em não conseguir o que queremos.
É louco assim, mas às vezes não conseguimos o que mais queremos, porque conseguir o que se deseja significa perder o que se já temos. Por isso nos sabotamos.

É preciso uma dose absurda de coragem para reconhecer esse padrão interno em nós mesmos. Porém uma vez que estamos cientes podemos mudar para um diálogo interior e para crenças mais construtivas e eficientes na direção daquilo que tanto queremos e merecemos. Ou seja, é importante identificar o que nega você, para que você tenha poder e domínio interior para afirmar o que também afirma você.

Se você estiver pronto continue lendo e descubra a pior maneira de se sabotar.



A principal forma de se sabotar é jogar o jogo da vítima



Todos nós sem exceção já agimos como vítimas na vida e sabendo ou não podemos ainda estar agindo como tal. Sim, todos nós temos uma versão da vitima, faz parte da nossa natureza humana. É assim que evitamos experiências desconfortáveis ou situações conflitantes. Algumas pessoas hora e outra são vitimas ocasionais, já  outras são vitimas permanentes. Estas permanecem nessa condição por muitos anos ou até uma vida inteira.
O que é agir como vítima? É se comportar de forma disfuncional e destrutiva com a gente mesmo e com os outros.

Sei que ninguém acorda de dia e toma a seguinte decisão: "Hoje vou me sabotar para que as minhas coisas não deem certo na vida, apontar o dedo acusador, tirar o meu da reta da responsabilidade e me sentir impotente!" Claro que não. Mas ainda que não seja uma escolha consciente, o fazemos. E por que fazemos isso? Porque há alguma compensação nisso, um ganho secundário. Quer seja uma forma de ser cuidada, protegida, ter atenção, etc.

Infelizmente a nossa sociedade paternalista cultiva o vitimismo. Mas isso é perverso pois nada tem de edificante em subjugar as pessoas a essa condição de total incapacidade humana.



Mas por que raios nos comportaríamos de modo ruim com a gente mesmo ou com quem amamos e gostamos? O que ganhamos com isso? Simples! Porque há prazer em ser vítima... E se você estiver ciente disso, pode então sair dessa, se quiser, é claro!

Os benefícios em ser vítima


- A culpa é sempre de alguém, menos da vitima

- Não ser responsável pelas próprias escolhas ações e consequências
- Ter atenção e apoio das pessoas
- Ser cuidada pelas pessoas
- Depender emocional, física ou financeiramente de alguém
- Evitar aceitar a realidade da vida das coisas e acontecimentos
- Evita se soltar de situações e pessoas passadas
- Evita crescer como ser, desenvolver as potencialidades, dons e pontos fortes , aprender novas habilidades e assumir o controle da própria vida, 
- Permite estagnar na vida, se enclausurar na zona de conforto, procrastinar e permanecer impotente para fazer qualquer coisa e perpetuar o estado de falta (falta de apoio, falta de condições, falta oportunidade, falta confiança, falta , falta, FALTA).



Identificando-se como vítima

Eu sei pode ser desagradável reconhecer que você tem se comportado assim. Mas é necessário o autoconhecimento até para parar de agir como uma vítima e eliminar a auto-sabotagem da sua vida.

Como saber se você é uma vítima? 

Observe você agindo! 
Como você age diante das pessoas e circunstâncias que te frustram ou te contrariam? 
O modo como você age esclarece a questão.



Pistas do vitimismo interior



-Pessoas são sempre culpadas pela situação que você se encontra
-Você é evasivo e nunca é responsável por uma situação particular ou qualquer circunstância/ evento
- Você se dá desculpas e encontra razões e justificativas para o que está acontecendo com você, pois você NUNCA tem controle sobre a situação porque acredita que é SEMPRE um fator de fora de você que causa os seus problemas.


Os indicadores acima demonstram como a vítima está se colocando na vida. Porém também há a sustentação de certas crenças e idéias em forma de vozes, falas e diálogos interiores. Reconhecer essas vozes é outro passo importante para eliminar a vítima interior que você alimenta


Qual dessas vozes internas você cultiva em si?

As Vozes da Vitimas

"Não é justo"

A vítima se sente injustiçada o tempo todo. Acredita que "não merece" o que está acontecendo com ela. Não conhece a Lei da ação e reação e por isso reage mal a tudo.

Os injustiçados normalmente são as vítimas do tipo mártir, ou seja, são aqueles que esbravejam a famosa frase: "Depois de tudo que eu fiz para você ... este é o agradecimento que recebo!"
São pessoas muito ressentidas que acreditam que não são tratados da forma como pensam que deveriam de ser

Se relacionam no modo revolta, raiva e indignação. Possuem um tratamento rude e áspero para com as pessoas e sempre de indignação do tipo "-Quem eles pensam que são para..?" 

Se sentem perseguidos e normalmente não convivem bem com figuras de liderança e autoridade. Quase sempre usam a sua mente e emoções para se vingar. Sim são muito vingativos por baixo de um discurso de “Só querer o bem alheio”

Investem o tempo pensando em como vai dar o troco, nem que se vingar signifique não conseguir o que mais deseja para ter alguém a quem culpar ou do que se lamentar.
Este tipo de vítima vive no modo ataque/defesa é assim que se ralacionam com as pessoas e lidam com as próprias frustrações,  transtornos e sofrimentos.



"Eles não estão nem aí para mim"


A vítima é uma carente afetivo/emocional de atenção e aceitação. Portanto tem uma autoestima péssima. Se sentem desamparados quando não lhe dispensam atenção pelos seus feitos (o que quer que façam, fazem apenas para chamar a atenção) quer sejam coisas boas como conquistas ou coisas ruins, como por exemplo problemas e fracassos pessoais.

Por isso ela sabota o próprio sucesso, para ser sempre "amparada" por alguém à sua volta. Se posicionam na vida como se ninguém soubesse ver ou apreciar o que elas fazem pelos outros. 
Enquanto caçadores natos de atenção e são muitas vezes perseguidores (perseguem um filho, um irmão, um parente, um amigo...) ou salvadores (de um pai, a fim de ajudá-los e assim se sentir vital e importante na vida deles.


"Tadinho D'eu"
A vítima gosta de se ver como coitado. Se sente como a sua vida fosse o resultado fruto do azar, do passado sofrido e triste, de uma família problemática ou da injustiça financeira. Cultiva a auto-piedade e gosta quando sentem "dózinha" de si. Ruminam situações e emoções dolorosas com enorme frequência e não sabem lidar com  frustrações.
Talvez até tenham sido num passado distante vítimas de maus tratos, mas não superaram e seguem se relacionando com as pessoas de modo dramático (fazem muito drama das situações e exageram enfatizando o negativo, os erros, os problemas, as dificuldades) negativo, inferior, egoísta e manipulador. Querem que as pessoas "devam" (tenham o dever de...) cuidar dele. São dependentes emocionais e querem a ajuda e a preocupação das pessoas o tempo todo.


Todos estas vozes tornam a pessoa que se acha vítima infeliz na maior parte das vezes e irritadiça na outra maioria. Portanto estão ocupadas demais transitando entre dois extremos de emoções ruins e tentando sobreviver de modo muito miserável à vida da qual acham que não tem nenhum controle sobre.

Se reconheceu como uma vítima? Não ainda? Então segue mais características


Características e Comportamentos de Pessoas “Vítimas”

Vítimas têm uma vida confusa, reflexo da própria confusão mental.


Possuem uma auto-definição pessoal de incapacidade muito gritante por isso se comportam com atitudes inaptas, frágeis e não inteligentes, e estão sempre á procura de um parasita mais forte para cuidar deles.

Sim são altamente manipuladores...manipulam os outros para cuidarem deles.
Por se sentirem inaptos e incapazes não vivem suas próprias vida. Vivem para serem aceitos, vivem de acordo as expectativas dos outros e muitas vezes abraçam a vida de outras vítimas como se fossem suas vidas, para terem um senso de controle capacidade e importância, um senso útil ou de “conserto” de outras pessoas.

Alguns convencidos da sua incompetência ou defeituosidade interior se afundam no uso abusivo de drogas álcool, alimentos, jogos ou consumismo desenfreado.

Sentem-se altamente ressentidos com aqueles de quem dependem.

Vivem a vida em um emaranhado de auto-sabotagem para “provar”  (provar consciente e inconscientemente) que os seus problemas são insolúveis ou culpa dos outros.

Vítima é covarde e não se arrisca. Nem tenta solucionar problemas, pois não vive sem eles. E pior, se o solucionarem, se mostrarem do que são capazes, se sentirão rejeitados. Já imaginou  mostrar do que são capazes? Nem pensar!!! Perderão o afeto, a consideração a e auto-comiseração por parte daqueles que já se auto-apiedam deles...os "pobre coitadinhos".

Vítimas se comportam como crianças: se sentem impotentes e precisam ser cuidadas, direcionadas e protegidas. Não perceberam que não estão mais na infância e que como adultos elas tem poder que antes não tinham... de se cuidarem!

As vítimas que se sentem perseguidas, acreditam que o mundo é um lugar assustador, perigoso e trágico. Relacionam-se como medo de tudo e como se fossem sempre perseguidos, mal compreendidos e injustiçados. Operam no padrão ataque e defesa para sobreviver ao mundo hostil que acreditam de acordo com a própria visão de vítima.

Vitimas são pessoas super nocivas e abusivas. Ferem de volta. Usam razões e justificativas para machucar, magoar ferir intencionalmente pessoas. “Fiz isso porque me fizeram...” ou seja dão razões racionais do porque as pessoas merecem ser mal tratadas. Usam a retaliação como arma de manipulação.


E agora? Se convenceu que vem agindo como vítima?

Bem a boa notícia é que depois de se descobrir vítima você tem que ir mais fundo. Precisa também identificar porque você está vestindo esse papel. Para isso você precisa se fazer as seguintes perguntas: "-Como vítima, o que estou conseguindo? e "Como vítima o que estou evitando?



A resposta a estas questões envolve muita reflexão, investigação, coragem e principalmente honestidade e auto-conhecimento. E quando você tiver a clareza do que te move a se sentir e agir como uma vítima você já terá percorrido a metade do caminho na direção de se tornar EX vitima!

A outra metade envolve dois passos: primeiro sendo honesto e reconhecendo esse padrão de comportamento e segundo assumindo a responsabilidade por tudo (pela própria vida, resultados, escolhas etc). Esse é o único caminho para você deixar de se comportar e ver a vida como uma vitima. Quando você se vê agente e não mais passivo, a vítima pede a força e deixa de existir. E até que possamos ser totalmente responsável por tudo o que temos (e não tem) em nossas vidas que nós podemos começar a ter o poder de mudar as coisas que não estão funcionando.

Repito, a única maneira de você parar de sentir como uma vítima é aceitar a responsabilidade por escolher estar nessa situação, seja lá qual for a situação ruim que você se encontra no momento. Em algum nível, por algum motivo, você escolheu ser vítima diante das circunstâncias. Sim você fez isso! E talvez o fez porque você precisava aprender alguma lição sobre si mesmo (um que revelaria a grandiosidade em você e não uma punição). Talvez porque você precise perceber o quão forte você realmente é. Talvez porque você precise rever algumas velhas crenças e hábitos que você tem sobre si mesmo que prejudicam você. Seja qual for a razão, você fez essa escolha, em um nível inconsciente até e se pôs nessa situação. Tudo o que você deve fazer é aceitar a responsabilidade de ter feito essa escolha, a fim de reverter a maldição. Depois de aceitar a responsabilidade por suas escolhas, você se abre para novas e diferentes percepções sobre si mesmo, sobre a situação negativa e qualquer outra pessoa envolvida.

Qual é a verdadeira aprendizagem aqui em se descobrir vítima? É compreender que é VOCÊ que precisa mudar e Não as pessoas ou situações à sua volta.


É necessário trabalhar a autoestima e a auto-confiança. 


Acreditar em si significa não precisar ser vítima. Para isso é preciso é corrigir o sistema de crença e atitude perante a vida. 

A maneira que nós experimentamos e interpretamos o mundo, e a nós mesmos obviamente, depende muito de sobre o tipo de ideias que alimentamos em nossas mentes.



Convivendo com Pessoas Vítimas

Como lidar com vitimas? Com respeito e independência.

Sim, conviver com vítimas é bem difícil. Estão sempre reclamando, se lamentando ou se preocupando com algo ou alguém. E quando você tenta mostrar um outro ponto de vista, mais positivo ou funcional, atacam você com a famosa auto-piedade do tipo: “- Você não me entende!” ou “- Você está contra mim”

Também é bastante ruim ver de perto o quanto essas pessoas se sabotam, no papel de vitima que incorporaram.

Conviver com uma vítima é bem ruim porque elas esperam que você retribua cada gesto, que não, não é nem um pouco altruísta. Normalmente querem ser vistos como heróis e esperam que você cuide deles em grau, gênero e número da mesma maneira que o fazem. E se você não o fizer será acusado de traidor ou ingrato, pois você não faz por ele, "depois de tudo o que ele fez por você" E sim, via de regra vão sempre culpar você pela infelicidade deles.

Duas coisas eu aprendi com pessoas vítimas: Não espere muita coisa delas! Jamais espere algo delas, pois se não podem nem cuidar de sí mesmas, jamais poderão estar lá para você quando você realmente precisar. Aprendi principalmente que nós nunca somos vítimas, a não ser por escolha própria!


Por Silvia Parreira





Cursos e Programas Exclusivos de Coaching

Cursos e Programas Exclusivos de Coaching